sábado, 16 de dezembro de 2017

As cólicas do meu bebé, o que fazer?

A minha bebé é um anjinho... nunca pensei conseguir, mas dorme bem à noite e não passa o dia todo a berrar, como me tinham dito que ia acontecer. Estava, na realidade, preparada para o pior... e de tudo o que imaginei... está a correr muitíssimo bem! 
Por vezes tenho até medo de dizê-lo em voz alta... não vá o universo conspirar contra a minha confiança e a minha bebé mudar, da noite para o dia, o seu comportamento (acreditem que enquanto escrevo isto bato 3 vezes na madeira)! É um período exigente, tanto a nível físico como emocionalmente, com tantas emoções à mistura, que o facto dela colaborar é uma verdadeira benção!
A maternidade é algo que me está a surpreender enormemente. Apesar de não ter crescido rodeada de crianças, nem sentindo um lado maternal muito cedo, a partir do momento em que fui mãe tudo mudou. Confesso que o meu desconhecimento face à nova fase me fez acreditar que seria tudo um bicho de 7 cabeças. Mas agora parece ser tudo tão natural, como se me tivesse preparado uma vida inteira para isto... e só passaram 2 meses!
Não quero de maneira nenhuma romancear demasiado a coisa... nem fazer parecer que é tudo fácil e perfeito, pois não é! Afinal de contas há momentos difíceis! A privação de sono, as oscilações hormonais e todas as novas rotinas, horários e prioridades são verdadeiros desafios de sobrevivência da natureza.
A juntar a tudo isto temos o facto de estarmos a passar pelo período das típicas e dolorosas cólicas do bebé recém-nascido que duram desde a segunda semana de vida. Neste caso não fui abençoada com um bebé sem cólicas.

Mais uma vez, também relativamente a este tema, contei com o apoio incondicional da Enfermeira Carmen que me explicou ser um período normal, pelo qual grande parte dos bebés passa, devido à imaturidade do seu sistema digestivo. O bebé acumula gases, que provocam desconforto, dor e que culminam no choro específico associado às cólicas Este é um choro diferente do que se associa a outras necessidades, como a fome ou o sono. Posso dizer que ao fim deste tempo já me sinto capaz de tentar adivinhar o que se passa, pelo tipo de choro da minha melanciazinha.
Ao ler vários artigos sobre o tema fiquei a perceber que grande parte das mães, ao fim de muito pouco tempo, já conseguem diferenciar as "queixas" ou os "pedidos" do seu bebé pelo tipo de choro deles. Eu não fui tão imediata e perspicaz como as restantes mães, mas optei por ir eliminando hipóteses pela famosa técnica de "tentativa-erro". E posso dizer-vos que funcionou.




COMO PODEMOS AJUDAR O NOSSO BEBÉ?

1 – A alimentação da mãe que amamenta, apesar de muito importante, mas não é considerada a causa das cólicas do bebé. Se o nosso bebé tiver tendência para cólicas, por muito perfeita que seja a nossa alimentação, não vais conseguir um milagre (infelizmente). Eu sou a prova disso! Apesar de ter eliminado todos os lacticínios, as leguminosas (como o grão, feijão ou ervilhas) e as crucíferas (couve flor, brócolos, couves de Bruxelas, repolho), mesmo assim a minha melancia continua com queixas. Pergunto-me se seria pior se não tivesse cuidado com a alimentação? Talvez sim... mas prefiro não arriscar e não fiz o teste!
Apesar das crenças que existem, os alimentos verdadeiramente proibidos são aqueles à base de cafeína (como café, chá verde, guaraná, coca-cola) e estimulantes (algumas infusões, chocolate). A alimentação da mãe que amamenta deve ser equilibrada, saudável e sobretudo variada. 
Podes diminuir a frequência de ingestão de alimentos que provocam gases, como eu, mas segundo os recentes estudos não é necessário eliminar por completo. Como em tudo na nutrição, o bom senso acima de tudo!

2 – A alimentação do bebé é decisiva para melhorar este processo, pois um bebé amamentado tem mais facilidade em evacuar e, por conseguinte, menos cólicas. Para além de que o bebé no pico das cólicas pede mais maminha e esta ajuda-o, promovendo o calor (da mãe), confortando através da sucção e o próprio leite materno tem propriedades laxantes óptimas que ajudam o bebé a evacuar (diminuindo os gases). O poder da amamentação é fantástico e é uma das melhores estratégias!

3- O calor e a massagem são excelentes aliados, pois ajudam a expelir gases e a acalmar o bebé.
Antes de dares de mamar podes fazer uma pequena massagem na barriga do teu pequenino ou pequenina (pode ser por cima da roupa dado que se irritam facilmente quando expostos ao frio) com movimentos circulares, no sentido dos ponteiros do relógio, levantando as pernas do bebé em direcção à barriga (como se fosse andar de bicicleta). Podes optar por colocar o bebé ao colo de barriga para baixo e colocar entre o teu antebraço e a barriga do bebé um saco de sementes morno para facilitar a saída de gases e promover conforto. Atenção que ao fazeres esta posição imediatamente após dar de mamar o bebé pode bolsar ou ficar indisposto.

Tome nota: O contacto pele a pele serve como uma óptima estratégia, pois o bebé acalma-se ao sentir o cheiro e ao ouvir o coração da mãe ou do pai… O melhor do mundo é colinho de quem nos ama!

4 – A cânula do laxante pode ser cortada e, depois de retirado o conteúdo (medicamento), colocada na ponta no ânus do bebé, para promover a saída de gases. Este procedimento pode ser ajuda eficaz mais imediata, apesar de ser um pouco mais invasivo e ter associado o risco de provocar lesão no ânus do bebé.
Novos estudos indicam que o tipo de parto também começa a ser um factor determinante para as cólicas do bebé, pois quando o bebé nasce via vaginal, consegue absorver as bactérias boas da flora vaginal da mãe e começar a colonizar o seu intestino com bactérias boas que o ajudem na digestão e absorção dos alimentos.
Alguns pediatras prescrevem probióticos para os bebés reforçarem a sua flora intestinal.


5 – O banho quente pode ser também uma estratégia que ajuda o bebé a relaxar e a expelir alguns gases.Existem banheiras específicas como as Shantala que promovem a melhoria dos sintomas. Pessoalmente não me ajeitei muito bem com a esta banheira tipo balde. 

6 – Colocar mais vezes o bebé a arrotar, pois evita que engula tanto ar e fique mais tarde com gases, principalmente no caso de usares mamilos de silicone ou biberons e tetinas (são mais favoráveis à entrada do ar).


7 – Se o o bebé for alimentado de forma complementar ou mesmo exclusiva a fórmula, já existem soluções de biberons com sistema anti-cólicas, que impedem que o bebé engula tanto ar durante a sucção. A utilização de águas da marca Vimeiro original e Evian também parecem estar relacionadas com alguma melhoria (esta parte das águas confesso que não experimentei...).

8 - Se tiveres amigos ou familiares a viver em Inglaterra tens sempre a possibilidade de lhes pedir para te trazerem "o" medicamento anti-cólicas: infacol. Amigas já me tinham falado dele e o meu pediatra também o recomendou. Existem produtos equivalentes em Portugal, mas segundo os relatos, nada eficazes comparativamente ao dito cujo. 

Informa-te sempre antes de dar o quer que seja ao teu bebé junto do teu médico pediatra ou enfermeira especialista. Eles serão as pessoas indicadas para te ajudarem a ti e ao teu bebé. Neste post apenas relato aquilo que funcionou comigo e sobre quais as melhores estratégias que encontrei, com muita ajuda e dicas da Enf. Carmen (autora do Blog Bebé Saudável) para ajudar o meu "mini me" neste período.

Espero que te ajude a ti também!



Sem comentários:

Publicar um comentário